A WIFT Brasil já está aceitando pedidos de adesão de membros.
  • Amostra

    Amostra

    A mulher e o cinema no Brasil

  • Festivais

    Festivais

    Seleção de filmes para serem inseridos em Festivais WIFT pelo mundo e nacionais

  • Elena

    Debate no MIS - São Paulo

Por que nós existimos

Por que nós existimos

A WIFT Brasil foi criada por uma equipe de mulheres que representam praticamente todos os setores e profissões de cinema, televisão e outras mídias baseadas em tela. Com o crescimento e fortaleciemento do audiovisual no Brasil, percebemos que se fazia necessário estabelecer uma plataforma na qual fosse possível o compartilhamento de informações e o desenvolvimento de parcerias entre profissionais que já atuavam no mercado cinematográfico e aquelas em início de carreira. 

A mostra em textos

A mostra em textos

A mostra Silêncios Históricos e Pessoais”, que passou por São Paulo na quinzena em que o golpe militar no Brasil fez 50 anos, levou às telas da Caixa Cultural 17 filmes sobre as ditaduras latino americanas. Selecionados por Natalia Barrenha, que é também idealizadora do projeto ao lado de Pablo Piedras, os documentários têm a subjetividade formal como elo comum: narrados em primeira pessoa, mesclam as memórias pessoal e coletiva, desfocando o limiar entre o íntimo e o histórico. Como o feminino está fortemente presente na mostra – seja no olhar por trás das câmeras (as mulheres são maioria na direção) e/ou pelo protagonismo nos filmes – a WIFT Brasil pediu a um grupo de oito mulheres que selecionasse um dentre os 17 documentários e o resenhasse. Escolhidas por se identificarem – direta ou indiretamente – com alguma temática das obras, essas mulheres escreveram textos sensíveis, fortes, mais ou menos intimistas. Inspiradores. Você pode lê-los clicando em qualquer um dos posts abaixo, em nosso blog.

Featured Work

From The Blog

EM BUSCA DE IARA, ENCONTREI MARIANA. E A MIM MESMA – Por Lygia de Souza Viegas*

Salvador, 31 de março de 2014 Querida Mariana, Embora não nos conheçamos, ouso lhe chamar de querida, pois me sinto historicamente ligada a você. Vou me apresentar, como você faz no documentário, para que entenda: meu nome é Lygia, e nasci poucos anos depois de você, em 1974, no interior de São Paulo. Embora...